Gravatá, Terra das Flores!


Principal via de ligação do Recife ao interior de Pernambuco, a BR-232 ainda concentra um comércio peculiar no perímetro urbano de Gravatá, a cerca de 85 quilômetros da capital pernambucana. À beira da estrada, a venda de morangos ainda resiste. O produto, porém, é “estrangeiro” e vem de outros estados. A razão disso é que a cultura da fruta, que já foi símbolo da cidade, foi deixada de lado e trocada pela floricultura.

Não menos rentável, o oásis colorido se esconde no Brejo, região da Zona Rural do município, em várias estufas encravadas nas colinas da localidade. Onde, até 14 anos atrás, o morango reinava absoluto. Em pouco mais de 100 pequenos sítios, a paisagem agora é dominada por crisântemos, lisiantos, gérberas, liláceas gladíolos, rosas e tangos, entre outras espécies, produzidas e escoadas para o Grande Recife e o Nordeste.

“Plantei morango, maracujá e criei gado. O que deu retorno plantar mudas e flores. Há uns cinco anos, ninguém mais planta morango aqui”, diz o técnico agrícola e produtor Emanuel Messias do Nascimento, 32. No sítio de 5 hectares, Messias possui 40 estufas, sendo 14 de flores e 26 de mudas, um total de 8 mil metros quadrados de plantio. Em 2007, ele produzia 4 mil mudas/ano. Hoje, são mais de 120 mil.

O cultivo de flores em Gravatá, segundo a associação Floragreste, com 27 produtores associados, começou nos anos 1960, mas apenas nos últimos 14 anos ganhou força. No Brejo, 70% dos agricultores plantam flores. O restante é divido entre produtores de abacaxi (30%) e hortaliças e leguminosas em geral (10%).

“A sazonalidade, variedades rústicas produzidas e os custos explicam o fim da era do morango. As tentativas em cultivar tipos refinados com mais tecnologia e manutenção, adubos e ações contra pragas não deram certo. Com custos mais baixos e o mesmo clima favorável, a migração para as flores ocorreu naturalmente”, conta Lourenço Zarzar, agrônomo, produtor de flores e presidente da Floragreste.

Segundo ele, desde 2009 o crescimento do segmento bateu os 100%, à medida em que o mercado de eventos também aumentou. Entre as vantagens do negócio, estão o clima ameno de Gravatá, com temperatura anual média de 19°, e a fartura de água, já que muitas das propriedades possuem mananciais próprios. Hoje, a floricultura emprega cerca de 3 mil pessoas, entre vagas diretas e indiretas, atacadistas e distribuidores.

Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

No sítio de 6 hectares, os irmãos Ailton e Geraldo Souza plantam dez tipos de flores em 40 estufas. A produção é vendida para Juazeiro do Norte (CE) e Campina Grande (PB) e rende, em média, R$ 10 mil mensais, apesar de quase a metade ser gasta com adubos, veneno contra pragas e frete (cerca de R$ 300 por semana para escoar a produção para a cidade). “A rotatividade das espécies nos dá colheitas toda semana”, atesta Ailton.

Apesar de consolidado, o setor reclama da ausência de incentivos de agentes financeiros para otimizar e elevar a produção. Muitos deles investem do próprio bolso, em virtude das dificuldades em obter financiamentos através do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf), e dizem que os bancos alegam custos altos para a produção, ao passo que outras culturas, como abacaxi, custam bem menos.

A Agência de Fomento do Estado de Pernambuco (Agefepe) possui opções para o setor de flores com juros mensais entre 1,2% e 1,35% e carência de três e 24 meses, “Há operações de microcrédito com volumes de R$ 15 mil para o pequeno produtor investir em capital de giro ou equipamentos, com o dinheiro indo direto para a conta bancária do produtor. Inclusive já atendemos a alguns produtores rurais de Gravatá”, ressaltou Agnaldo Nunes, presidente da Agefepe.

Ranking e novo perfil
Mesmo com as dificuldades, Pernambuco atualmente lidera o ranking de produtores no Nordeste e ocupa o quinto lugar o Brasil, segundo a Floragreste. Com mais apoio, é possível subir de patamar do mercado. De acordo com a Secretaria de Agricultura de Pernambuco, o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) “presta assistência técnica na região”. O órgão, porém, não possui dados atualizados do setor.

Entre os agricultores, há o reconhecimento do apoio do IPA, mas para a maioria deles a evolução do setor em Gravatá ocorreu na base do cooperativismo. “A gente troca ideias de plantio com os outros produtores, para melhorar a produção e movimentar o mercado. Um ajuda o outro”, diz Manuel Messias.

No fértil solo de Gravatá brota agora uma outra doçura, também rentável e multicolor que tem modificado o padrão de vida de quem escolheu plantar flores. “Hoje, muita gente tem TV a cabo em casa, carro e moto. O matuto ganha mais”, completa Messias.

Adaptado de texto do DP

Like it? Share with your friends!

What's Your Reaction?

bravo bravo
0
bravo
confuso confuso
0
confuso
falhou falhou
0
falhou
divertido divertido
0
divertido
nerd nerd
0
nerd
amei amei
0
amei
aff aff
0
aff
venceu venceu
0
venceu
hate hate
0
hate
lol lol
0
lol
gravatahoje

0 Comments

Deixe uma resposta

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format
%d blogueiros gostam disto: