CASO DE POLÍCIA: Vereadores de Gravatá, fazem alvoroço em hospital e são detidos pela polícia e Guarda Municipal

0
643

Este feriado da Data Magna, 6 de Março, foi marcado por uma grande algazarra no Hospital Doutor Paulo da Veiga Pessoa. Vereadores de bermuda, estiveram na unidade de saúde municipal durante a tarde desta terça, com o intuito de “agilizar” a transferência de um paciente; contudo, obedecendo às normas, o hospital não pôde autorizar a transferência, devido à ausência de maca.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco, é necessário que o paciente seja transferido em Ambulância com Maca, Senha da Central de Regulação e Encaminhamento Médico/Serviço de Origem, o que desconfigura negligência da saúde municipal, de acordo com o seguinte documento:

Segundo informações de pessoas que estavam no local, os vereadores teriam retornado ao HDPVP sob efeito de álcool, com vestimentas inadequadas para estar no recinto, pois trajavam bermuda, exigindo realizar a transferência do paciente, para cumprir com o favor político. Como a exigência fere as normas da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco, os profissionais de plantão desconfortáveis coma a situação, se viram em necessidade de apoio policial. A PM e a Guarda Municipal foram acionadas.

Aguardamos a divulgação do boletim de ocorrência que está sendo lavrado, onde deverão constar o nome dos vereadores popularmente conhecidos como Bolo da Areia, Marcelo Motos e Dode Flores.

Populares tratam o ato como invasão ao hospital e já circula nas redes sociais, fotos dos vereadores, durante a algazarra criada por eles.

É de conhecimento público que todos os vereadores têm o dever de fazer fiscalização nos serviços públicos, porém os atos relatados por populares que estavam no hospital, não é justifica por essa prerrogativa. Mais informações sobre a ocorrência, surgirão após a divulgação das documentações à imprensa, por parte da Delegacia responsável.

É de grande importância ressaltar que Grandes Emergências de Pernambuco, tem 90 dias para comprar macas, por decisão do MPPE.

Comentários no Facebook