A manhã desta quinta-feira (29) esteve repleta de muita cultura e africanidade na Escola Municipal da Serra. Hoje, foi realizada no auditório da escola a culminância do projeto “África e Brasil: unidos pela história e pela cultura”.
O projeto foi desenvolvido por cerca 400 estudantes e por todos os professores da escola durante todo o mês de novembro, em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro.
O evento contou com apresentações artísticas, como danças tipicamente africanas, que fizeram lembrar a riqueza e a influência da cultura afro para a formação do povo brasileiro.
Leide Aragão, a gestora da instituição, fala da importância do desenvolvimento do projeto na escola.
“Realizar esse projeto foi muito importante para o processo educativo dos nosso alunos, pois tratou-se da inclusão dos alunos negros e do problema do racismo. Seria muito interessante se outras escolas também aderissem a ações com essa. O dia da consciência negra são todos os dias. Então, estamos trabalhando isso em sala de aula, desconstruindo imagens preconceituosas que infelizmente ainda existem”, falou.
“O objetivo desse projeto foi romper com todo o estereótipo criado em cima do continente africano. Com o projeto, procuramos fazer com que eles consiguissem perceber a importância da cultura africana e o quanto ela é presente dentro do que hoje é a cultura brasileira”, explicou a professora de História Érika Geórgia.
Ingrid Mariane da Silva, aluna da escola, diz que para ela este foi um projeto muito importante, pois sentiu representados a sua cor e o seu povo.
“A realização do projeto nos fortaleceu para combater práticas racistas que ainda persistem na nossa sociedade, por conta de toda uma construção histórica que foi feita. Aprendemos que muitas pessoas não admitem ser racistas, mas têm atitudes racistas e discursos racistas. Isso a gente percebe no dia a dia”, complementou.

Gravatá Hoje

Comentários no Facebook