O pároco João Paulo Gomes usou as redes sociais para dar sua opinião sobre a demolição do pontilhão em Gravatá. Demolição esta que está causando tanto alvoroço na cidade que até o Ministério Público de Pernambuco já se manifestou contra a obra.

Tomamos a liberdade de compartilhar a opinião do Padre João Paulo por identificar vários pontos dos quais, nós aqui do NOVOGN temos a mesma linha de pensamento. Confira abaixo na íntegra o que diz o Padre João Paulo sobre o assunto:

O PONTILHÃO DA DISCÓRDIA

Além de Padre sou também historiador e algumas pessoas pediram a minha opinião sobre a derrubada da pontilhão em nossa cidade. Resisti muito porque como tudo em Gravatá é facilmente levado para o lado político partidário, as vezes dar uma opinião parece significar que se está contra o político A e a favor do político B.

Não condeno a prefeitura que certamente antes de destruir a ponte deve ter se cercado dos melhores pareceres técnicos, jurídicos e de preservação histórica e certamente deseja o melhor para a cidade. Incomoda-me um pouco quando leio comentários de pessoas que chamam aquela obra de “pontezinha” e descarregam sobre ela a culpa de tudo (é feia, atrapalha o trânsito, é lugar de traficante e perigoso, que já devia ter sido derrubada….). Todo monumento histórico (e aquele tinha mais de 100 anos) quando não é cuidado e preservado, ele se torna feio e acaba sendo usado para outros fins. Consequentemente se transforma em peso e torna – se descartável. Só que assim fazendo perde – se a história, um pouquinho de cada vez. E o pior: perde – se dinheiro porque não se considera o potencial turístico das coisas antigas. Neste sentido vibrei de alegria com a reforma do nosso memorial sinal de uma cidade que respeita sua história reinaugurado a alguns meses atrás. Mas sinceramente me perguntei se era mesmo necessário, se não haveria outra solução para a linha do trem.

Morei vários anos na Itália e lá o turismo é a maior fonte de renda mas porque? Existe uma lei que qualquer construção com mais de 40 anos (mesmo casas e negocios) não podem ser modificados. Por isso que hoje eles atraem turistas do mundo inteiro. Uma “coisa velha” no Brasil é pesada, feia, atrapalha trânsito e se transforma em lugar de marginal, na Europa é fonte de renda e trabalho pra muita gente.
Só que as vezes quando alguns pensam o turismo de Gravatá raramente se pensa na força do nosso patrimônio histórico mas a trazer gente pra tomar cachaça dançando os safadões e as calcinhas pretas da vida.

A culpa dos problemas de trânsito não era do monumento (do pontilhão na Amaury de Medeiros) mas do jeito como o deixamos (e eu me incluo nisso pois como cidadão sou responsável também). É justa a reclamação das pessoas: várias vezes me irritei no trânsito ali e caminhando a noite passei com medo pelo pontilhão. Mas será que a única solução era destruí – lo? Sinceramente não sei e não quero julgar ninguem. Mas será que um projeto paisagístico não poderia aproveitar tudo aquilo transformando num parque, trazendo a tão sonhada Maria Fumaça? Recordo o prefeito do Recife que na década de 70 destruiu casas e até Igrejas antigas pra se fazer a avenida Dantas Barreto, o que é aquilo hoje? Um vão de concreto que nem a prefeitura do Recife sabe o que fazer porque se tornou inútil e deserta.

Lendo e ouvindo alguns comentários me preocupei porque se coloca muito em contraste progresso contra história. Como se o que é velho fosse só atrapalho. Só que se pensarmos sempre assim, daqui a pouco se vai o cortume, a estação, as casas velhas, talvez alguém proponha arrancar o resto dos trilhos e encher de concreto pra fazer estacionamento e quem sabe seguindo esse raciocínio que nada deve atrapalhar o desenvolvimento daqui a 100 anos pode – se acabar com a prefeitura (porque a rua ali podia ser duplicada), a Igreja Matriz (podia ser um estacionamento), a casa da cultura e aquela paroquial (pra fazer um prédio)….só que quando se destrói o que é velho eu posso trazer uma vantagem imediata mas se perde a história e essa perda não volta mais.

Isso não é uma crítica, é só uma reflexão… Espero que a derrubada do pontilhão possa trazer muitas melhorias e que não seja mais uma coisa de que vamos nos lamentar e dizer: era tão bonito.

Reprodução: https://www.facebook.com/joaopaulo.gomes.35574

 

Comentários no Facebook