Policiais Civis de Pernambuco pararam suas atividades durante 24H nesta terça-feira (19) em forma de protesto em descumprimento as suas reivindicações. Os policiais civis pedem que o Governo se pronuncie sobre uma pauta de reivindicações que foi entregue pela categoria em 30 de janeiro deste ano. A categoria afirma que a pauta de reivindicações foca na gratificação por função policial em um percentual de 225% para todos os policiais civis do Estado, além de modificações no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), na promoção de aumentos salariais por tempo, qualificação e faixa etária e a integração dos Peritos Papiloscopistas ao Quadro Técnico Policial.

A Polícia de Gravatá também aderiu à paralisação e suspendeu as atividades pelo prazo determinado, funcionando apenas com as ocorrências de flagrantes e homicídios. Porém, até o fechamento dessa reportagem nenhuma ocorrência deste tipo foi registrada na cidade. Após as 0:00h desta quarta-feira (20) os serviços voltaram a funcionar normal. Durante a paralisação cartas com as reivindicações da categoria foram distribuídas à população em todo o estado.

5 - 6dcd0af9ff26fe16253d8f1eb03c3eb82 - 5f9463c00f2ee8680d11e7e558904754

Em resposta, o Governo do Estado, na pessoa do secretario da Casa Civil Marcelo Canuto, acompanhado do secretário-executivo André Campos, que ressaltaram a disposição de manter diálogo com a categoria. Além disso, informaram que mesmo com a data-base da categoria programada para junho, todos os pontos da pauta “serão aprofundados por comissões temáticas” formadas pelas Secretaria de Defesa Social (SDS), de Administração e da Fazenda, para avaliar o impacto financeiro das reivindicações. Mas não definiram uma data, apenas indicaram que uma reunião entre representantes do Sinpol e o secretário de Administração, Milton Coelho, deve ocorrer na próxima semana.

Comentários no Facebook