Quem acompanhou a entrevista do prefeito de Gravatá Bruno Martiniano (SEM PARTIDO) na manhã desta sexta (31) na Rádio Clima FM se deparou com um fato curioso e meio que peculiar. Durante a sabatina que se resumiu a pouco menos de 30 minutos o prefeito só teve tempo de falar duas coisas; na primeira chance falou sobre o Pontilhão que ele mandou derrubar; na segunda oportunidade falou um pouco sobre o CAIC e agradeceu aos seus subordinados pela dedicação. Todo o resto do tempo foi utilizado por pessoas selecionadas para falar bem do prefeito e para um verdadeiro “massacre psicológico” feito com a família do radialista Jota Silva, rompido com Bruno Martiniano.

A rádio montou uma série de entrevistas com todos os familiares do radialista da Gravatá FM que ainda trabalham na prefeitura, para falarem de bem do prefeito e de sua administração, tentando assim se contrapor com a enxurrada de denúncias e acusações que Jota Silva anda fazendo em seu programa de rádio contra o prefeito Bruno e sua equipe. Foram entrevistados o Pai de Jota Silva e algumas de suas irmãs que exaltaram o trabalho de Bruno afirmando que o prefeito era um “excelente” pagador e um dos melhores prefeitos que Gravatá já teve.

Antes de colocar as entrevistas no ar, o radialista Clebson Amsterdan questionou o prefeito sobre o seu modo arrogante, carrasco e chato de administrar, segundo ele, as entrevistas serviriam para desmentir os modos do prefeito.

O Pai de Jota Silva, o senhor Arlindo Silva resumiu a administração do prefeito como simples e muito boa, e classificou os comentários negativos como invejosos de alguém que queria está sendo o prefeito no lugar de Bruno. Arlindo ainda disse que recebe toda a assistência do prefeito em suas funções e que não tem nada a reclamar de hospital, da saúde e dos postos. Que seu salário está em dia e que está do lado do prefeito trabalhando e vestindo a camisa há mais de 12 anos.

Berika, irmã de Jota Silva, funcionária da Secretaria de Assistência Social afirmou que onde ela exerce sua função está tudo perfeito. Que o gestor ampliou os serviços, colocou merenda e criou várias coisas boas para as crianças atendidas pela secretaria. A funcionária ainda afirmou que o pagamento dele nunca atrasou.

Bélgica, outra irmã do radialista, funcionária da Secretaria de Assistência Social manteve o discurso de Berika, afirmando que o prefeito não ligasse para os comentários negativos sobre sua gestão.

Beirre, foi a última irmã de Jota Silva a falar, ela é funcionária da Secretaria de Saúde e afirmou que o governo de Bruno Martiniano é muito bom, não falta nada apesar das dificuldades. Também afirmou que o pagamento está em dia e que o povo nunca está satisfeito com nada.

Quem esperou por uma entrevista esperançosa e interessante acabou mais uma vez se frustrando. Enganou-se quem pensou que funcionários do prefeito iriam falar mal do gestor arriscando seus próprios pescoços. Nas redes sociais a entrevista foi classificada por alguns usuários como um “massacre” a família de Jota Silva, comparando a ação do prefeito e da rádio com as ações da ditadura.

Comentários no Facebook