Hoje o dia foi muito especial para Luciene Batista e José Rivaldo com a chegada do pequeno José Gabriel. O novo gravataense veio ao mundo através de parto humanizado no Hospital Dr. Paulo da Veiga Pessoa.
Cada vez mais frequente, as mulheres estão aderindo a este método obstétrico que proporciona um momento mais agradável pela presença dos familiares e reduz o uso de medicação, diminuindo, também, os riscos de infecção, tanto para a mãe, quanto para o bebê.
“A humanização do parto, esse contato pele a pele que é feito no primeiro momento, o corte do cordão tardio, tudo isso tem evidências científicas de que melhora a saúde do bebê e também da mãe. Não é só porque é bonito, ou romântico, mas, cientificamente, foram comprovados os benefícios para a vida de ambos”, explicou Érika Ximenes, diretora geral do Hospital Dr. Paulo da Veiga Pessoa.
Pensando nos benefícios que o parto humanizado traz à saúde da mulher e do bebê, Luciene Batista Santos, 23 anos, que deu à luz ao menino de 4,170 kg, na manhã desta segunda-feira (03), optou por esse método para estabelecer um maior contato emocional e espiritual, entre ela e a criança.
“Estou muito satisfeita, Além da qualidade e atendimento que foram excelentes, a equipe me ajudou bastante em todo o processo do meu parto. Estou muito feliz de ter sido realizado da forma que eu queria com a presença do meu marido que cortou o cordão umbilical. Tudo foi em um ambiente confortável. Inclusive, houve música. Foi bem animado. Muito descontraído até”, disse.
O Hospital Dr. Paulo da Veiga Pessoa já realizou no ano de 2018 cerca de 50 partos humanizados com acompanhamento da obstetrícia e de uma equipe médica dedicada em todo o procedimento, trazendo sempre o contexto familiar para a hora do nascimento.
Marcos Vinícius Miranda, diretor médico do hospital, fala que esta foi uma experiência maravilhosa em sua vida.
“Foi uma experiência incomum na minha vida, pois estou acostumado com outro ambiente onde ocorrem situações mais críticas. Mas esse não teve nenhum momento de estresse além da dor natural do parto. A enfermeira Natalia estava conduzindo o processo com o auxílio dos técnicos e sob a minha supervisão. Todos que participaram estavam em uma energia muito boa. Isso foi gratificante”, falou.

Gravatá Hoje

Comentários no Facebook