hqdefault

Cena comum onde quer que se vá nas cides brasileiras: Olhe ao seu redor
e você verá uma ou mais pessoas andando e mexendo no celular ao mesmo tempo.
No ônibus,no carro,no metrô,todo mundo ali de cabeça meio baixa,olhar direto ao cell
e mãos ágeis,teclando,ouvindo música ao mesmo tempo e checando as novidades
na timeline de uma rede social.
No Brasil há mais celulares em funcionamento do que pessoas.
São 204 milhões de brasileiros(IBGE) e 281,7 milhões de celulares,o que equivale
a 1,38 celular por pessoa.

O acesso para a internet através de celular supera o de computador.
Por conta da importância do papel do cell em expandir conectividade,
especialmente em áreas remotas e em países em desenvolvimento,
o relator especial da ONU para Liberdade de Expressão,recomendou que
os estados devem apoiar políticas e programas que facilitem a conexão
à internet através do uso de aparelhos celulares.

O Marco Civil da Internet também reconhece a essencialidade da internet
para o exercício da cidadania,garantindo a não suspensão da conexão à internet.
Sendo um serviço social,teoricamente de veria ele deveria estar disponível a todos.

Mas agora estamos em um dilema no Brasil. A Anatel está estudando a implementação
de uma medida que visa bloquear os aparelhos que não são homologados pela agência,
que incluirá os Xing Lings. Essa medida impactaria cerca de 40 milhões de brasileiros
que seriam privados do seu principal meio de comunicação e seriam desconectados.

Esta medida deve ser avaliada com muito cuidado,afinal desligar milhões de pessoas
de seus celulares e,consequentemente,de seu acesso à internet,dificultará não só
o acesso à informação,à cultura,política,trabalho,saúde,lazer,mas também impedirá
a inclusão dessas pessoas nos processos de criação,interação e participação cívica.

O bloqueio desses aparelhos,desacompanhado de medidas que ofereçam uma alternativa
que atendam esses usuários pode até se visto como uma medida discriminatória,
ferindo direitos fundamentais da parcela da população que mais precisa ser atendida.

Comentários no Facebook